4 de set de 2011

Olhos de vidro.

Noite clara
Tantas luzes artificiais
Sinto-me como aqueles insetos
Sedento de luz e calor
Tão cegos com isto que são carbonizados pela salvação
Estou farto de estar aqui e ser o pé no chão
Ninguém ouviu minha voz quando tentei negar
Todos riram quando demonstrei uma ponta de ódio
E nem mesmo o céu se abrindo fez que as coisas mudassem
Perdi o brilho no olhar confuso há tempos
Perdi os olhos quando as palavras cessaram
Fui encontrado em qualquer sarjeta
Meu único lar durante nem sei quanto tempo.
A mão de ferro me foi estendida
E quando me neguei a agarra La
Fui espancado até saber quem era o novo senhor
Sem garras e sem dentes
Tive cada sorriso dosado em momentos distintos
Fui seduzido a colocar estas algemas nos tornozelos
Ainda acerca de sentir
Fui treinado a me cortar e marcar cada parede
De dentro para fora
Desenhos tão macabros que assustam até quem os desenharam
O que acontece dentro, de dentro jamais deve sair
Roupas de seda
Sapatos brilhantes e lustrados
Gravatas de grife e vozes que jamais se calam
O perfume quase esconde o fedor original
Em uma sala sem janelas
Uma cortina de fumaça consome e disfarça cada desejo real
Brasas acesas como se fosse um sinal de luz
Quem sou eu agora?
Pairo sobre a profundeza enganosa de ser
Não me cuido tanto, nem me importo se estou pisando ou não
Faltou-me juízo na barganha
Tantas coisas deveriam ser sublinhadas no contrato
E quando me dei conta estava afiando o machado
Com esta coleira no pescoço
Sentado ao lado do trono, o velho trono de ossos
Cravejado de olhos que ainda pulsam lágrimas
Esperando a ordem da voz na escuridão
Ansiando o ataque ou cessar fogo
Às vezes alguém é jogado aqui para que seja devorado
Às vezes meu anseio e meu instinto travam uma batalha feroz
Nem sempre um dos lados se engasga com o orgulho
Onde estarei quando ele chegar?
Durante um tempo até cheguei a sonhar
Nada especial, apenas uma pequena porta
Talvez tentando me lembrar o quão humano eu já fui
Minha alma ainda deve estar escondida aqui dentro
Como a criança que vê pela janela a guerra chegar à porta de casa
E se esconde mesmo saber se é bom ou ruim
Um passado teve de ser mutilado
Uma vida foi arremessada nas labaredas
Não há fogo sem disposição
Não há disposição sem vitimas
E nem vitimas sem motivos
Logo meus motivos me trouxeram até esta mesa de cirurgia
Às vezes sou tomado de lampejos terríveis
Aqueles que quase tocam meus pelos
A dor de um tempo de escolhas me visita quando é de seu desejo
Uma certa vergonha confusa quase me torna pele novamente
Mas já nem espero tanta fé, Nem alivio de chegadas
E talvez, só talvez quando na próxima vez o sinal me for dado
Vou tentar não acreditar que estes fios de ouro
São os regentes de toda a existência
Então mesmo cego e aleijado
Vou me rastejar em direção ao norte
Carregar cada seqüela de pós-guerra
E tentar acreditar que os motivos são como chuva de verão
Daquelas que te surpreendem no meio do caminho
Ou te matam de sede no mesmo contexto!



17 de jul de 2011

Leve queda.

Homem ao mar!
Estas palavras entravam em meus ouvidos como Anzóis
Uma puxada em meus sentidos e tudo estará a salvo
A grande metade de tudo
Aquilo que deveria tentar ser salvo
Agora afunda como uma ancora
Homem ao mar!
Um sufocante e escuro mundo absorve meus anseios
Eu deveria estar ali
E quando tudo se tornar hipótese
Eu estarei à margem de mim mesmo
O silêncio vai apagando os rastros
De tudo aquilo que já foi caminhado
Só quero mais um pouco disso
Um tanto farto do barulho
Aquele tipo de ruído que só eles sabem fazer
Tentando salvar quem jamais desejou abraços
Ou toalhas secas.
Sou o ponto inerte no imenso oceano negro e fundo
Tal como viver, não viver é parte de todas as coisas
Lembranças de tempos não tão remotos
Carregam-me até épocas mais leves
Ou mais pesadas, a nostalgia torna tudo mais contrastado
Esquinas, noites frias e avermelhadas
Pessoas a caminhar, mãos nos bolsos
A adorável fumaça a fazer fundo ao misterioso novo
Algo pulsante me puxava pelo pescoço
Onde estará o sentido de caminhar de braços dados
Em uma noite com a brisa agradável?
A cidade com tão poucas notas
E você me fala de sua vida
Eu escuto com um frio na barriga
Desejando dançar contigo ali mesmo
Escutar aquela musica bela e suave
Que apenas você e eu contemplamos
Onde foi aquele olhar distante e suave?
Estou caindo e sinto tudo rápido demais
O cheiro de penas queimadas
Faz-me entender que jamais voltarei a voar
Gostaria mesmo de poder esboçar alguma reação
Diante da tempestade que se aproxima
Agora aqui sentado na mais solitária realidade
Sem asas e sem roupas
Vejo o que jamais pude entender
Em uma breve avaliação existencial
Sem pretensões maiores e sem tanta pele limpa
Sou a vingança do crime jamais cometido
O menor entre os pequenos seres
Sequer consigo chorar sem ser fisgado pela hipocrisia
Como um filme de quinta na prateleira de um velho esclerosado
Eis me aqui para assumir minha condição de ser
Com meu imenso nariz já não mais tão imponente
Dedos sem tantos movimentos e quase congelados
Qualquer brisinha poderia causar a queda dramática
Sentindo qualquer sentir
E buscando um perdão inútil
Sou a derrota do covarde que já teve sonhos claros
Homem ao mar!
Era tudo que eu deveria ouvir para voltar a filmar a lenta queda
Não desejarei mais olhar para perspectivas
Mais e mais fundo, distante demais para voltar
Um resto de oxigênio no pulmão esquerdo
E tudo que me resta é aquilo que sempre fui
Um pacote doente e revestido de pele
Quase existente em alguma realidade
Não serei a mão a ser salva
Desta vez vou apenas aceitar a posição da queda
Muita dor, pouca dor
E não sinto diferença alguma
Nem o velho homem de barbas longas e brancas
Com o ar frágil e voz calma
Nem mesmo suas palavras acima do entender
Vão me fazer acreditar em asas novas e secas a bater no límpido céu!
Homem ao mar! Homem ao mar!
Não há motivos para alarde!

10 de mar de 2011

O vento

Atrás das linhas inimigas
Escondido em baixo de alguns corpos fétidos
Encharcado de sangue seco
Quanto tempo algum recipiente de ar suportaria?
Quantas vidas já passaram diante daquele confuso e assustado olhar?
Um céu cinza sobra lá em cima
Uma sutil garoa lava de forma lenta a alma de vítimas e agressores
Homens sem sorrisos próprios
A meia luz por séculos de existência
Quase nem se recordam o odor de suas próprias carnes
Sequer se dão conta da cor de suas essências
A caçar e caçar os desavisados que se perdem diante de cada pós guerra
Lá esta o corpo inerte a se esquivar de suas limitações
Quase acreditando que é parte do cenário mórbido
Seus conceitos de fé foram atirados junto aos livros naquela grande fogueira em praça publica
Guiado por um sentimento tão intenso quanto uma vela acesa a dias
Ele tenta se virar alguns milímetros
É necessário algum sentido para acreditar em um corpo paralisado há tantas realidades
Dosando cada metro cúbico de ar que entre em teu já adaptado pulmão
Sabe ele que não pode perder nenhum ângulo que possa favorecer o teatro da sobrevivência
Então como se quase inconsciente
Com metade de seu peso já em seu particular mundo
Aquele quase acima de sua cabeça
Poe a se lembrar de uma distante e prospera época
Onde viver era o simples fascinante desafio diário
O sentir mais verdadeiro de cada manha o acordava de noites quentes
Com ventos que lhe fazia sentir acariciado levemente no rosto por mãos lisas
Seus anseios eram tão pouco canalizados
Seus espaços no estomago eram tão mais direcionados
E cada frio na espinha lhe faziam fechar os olhos a imaginar que poderia tocar o quase céu
Os olhares mais distantes que algum mortal poderia dispersar
Levado de teu reduto até a mais profunda odisséia interior
Jamais foi apontado em teu pequeno e breve mundo invisível e particular
Caminhando entre os que jamais puderam tocar o intenso planar sem perder o foco
Sim, de vez em hora era chamado pela insanidade momentânea ou permanente
A voz mais doce e amarga que poderia ouvir de dentro
Um jogo excitante e diário a ser decidido em um tabuleiro de prata
Jamais foi algum desafio estar ali em meio há pequenas batalhas de carne contra carne
Seu existir sempre se sobre pôs a todos estes breves devaneios
Trazido de volta para o trágico real
Ele pode notar cada ponto solto neste novelo de lã
Cada degrau manchado de sangue
Então percebe que o mundo a sua volta se torna sua mais perigosa arma
Ou sua mais intensa maldição
Estaria de fato ele onde seu corpo acredita estar?
Ou a lamina o fez parte de toda a dor?
O altar vazio, de fato esteve ali em seu plano físico como sempre acreditara?
Certezas e incertezas já não são mais tão relevantes neste ato
O ato mais esperado por todos aqueles que desejaram estar na platéia.
Um leve amargo na boca o faz questionar todo este tempo de fome
Uma fome que sequer era notada devido a teu estado catatônico
Um desejar que de tão intenso tornou se alvo daqueles que controlam cada mecanismo neste mundo de reais ilusões.
Um teste para os que estudam e avaliam a forma mais primitiva e humana de existir e sentir.
Jamais houveram tantas lembranças em teus devaneios
Jamais esteve diante de tantas nuvens abaixo do céu azul
Tudo se torna mais e mais confuso a cada passo
Imagens distorcidas se confundem com lembranças turvas.
Caminhando como aquele que foi presenteado com granadas a lhe acariciar teus ouvidos e sentidos
Um ruído apenas lhe guia de encontro ao nada
Desnorteado e seminu, carregando o quase nada que lhe resta de fé
A mesma velha garoa de todos os dias e noites
Caem como pequenos pedaços de céu
Como se chorasse prevendo a perda de teu mais lucrativo e interessante programa de domingo
O homem sem direção e sem memórias reais
Se Poe de joelhos sem motivo algum
E por mais que tentasse
Sabe que não consegue derramar a lagrima necessária para tornar o momento épico
Então com todo o teu ódio lhe queimando do peito até o começo da garganta
Ele suprime cada amor já sentido em sua frágil memória
Então de olhos apertados despeja tudo o que jamais foi teu por direito
Todos os desejos que jamais foram parte de si
Um grito que de tão potente arranha as paredes de vidros que abraçam o céu deste mundo confuso e bizarro
Logo uma fenda se abre acima de sua cabeça
Ele nota que todo o cinza que há
E todo o azul a qual se lembrara
Jamais foi tão azul como aquele que seus olhos incrédulos poderiam contemplar
Ele entende então
Sem instrução ou manuais
Ele enfim sabe o que é
De onde veio
Mas não de fato para onde deve ir
E deveria?
De punhos serrados o homem de roupas belas e claras como as manhas de seus devaneios
Abre as suas imensas asas e como uma fênix adormecida a tantas existências
Se Poe a voar como se rasgando o céu deste maldito e frio mundo
Nada mais restará ali
Apenas cinzas daquele que quase morreu
Acreditando que deveria morrer
E se libertou de si mesmo
Acreditando que deveria se libertar
E acreditou que poderia voar
Quando deixou de desejar o chão frio e sujo,
Aceitou a sua mais triste queda,
Seu inferno cinza de sangue
E só assim pode se redimir de si mesmo
Para enfim voltar a merecer seu verdadeiro dom...
O dom de merecer seu particular céu
Intenso e assustador azul
A cada bater de asas
O vento saberá o que dizer,
O tempo vai dizer onde chegar...

5 de mar de 2011

O intenso desistir

A falsa felicidade, aquele infiel sentimento que toma meu ser em manhas frias de domingo
Um perfume de jasmim se faz tão presente
Que quase sinto me carregado por ele
Quantas e quantas vidas permanecerei aqui?
Sentado em meu calvário silencioso e sutil
Olhando esta cruz e me perguntando quando terei coragem
Quanto de coragem seria o ideal para me fazer subir até lá?
O sol insiste em não aparecer nesta limitada realidade
Eu quase posso voar
Tamanho o peso em minhas costas
Toda a culpa deve ir para algum lugar
Entre tantos sacos de ossos e sangue
Alguém achou por graça ou engraçado escolher o menos interessado ou o menos interessante
Olho para o limite deste ser
E o teto parece ser tão baixo deste lado da colina
As flores no jardim apodrecem, assim como meus dias
Estou perdido e esquecido
Deixado de lado por meus entes mais queridos
Por remotas vezes alguém me traz algo para beber
Mas por algum motivo no percurso a água sempre se torna vinagre
E é tudo que tenho para existir e resistir
Certa vez me trouxeram algo especial
E esta em meu bolso desde então
Esperando a hora de ser usado
A mesma falca cega que sempre usei para me fantasiar de pirata quando criança
Sou o mesmo que desiste de caminhar
Aquele que simplesmente olha para toda a extensão do percurso e não nota nenhum sentido em ter joelhos tão feridos
E por entender assim desta forma, fui derrubado de meu ser
E jogado aqui para ser punido até que minhas perguntas voltem a se tornarem noites de carnaval
Sinto o calor daquelas que já não posso mais contemplar em meus braços
Uma nostalgia feroz e maldita que me arranha as costas em dias de quedas livres
Um passado tenta incansavelmente me lembrar a cor de minha armadura
Aquela que já me fez subir naquela pilha de corpos derrubados
Meu mais bravo conselheiro foi o que misturou o veneno ao meu brinde de mais uma vitoria sofrida
E quando me sinto derrotado, olho para os lados e entendo que não há derrotas ou vitoria
Existem apenas homens correndo de encontro a seus dogmas
Sem seus brilhos naturais
Sem os sorrisos que deveriam sentir
Com roupas rasgadas e totalmente esquecidos pela nave mãe
Com olhares distantes, como se nem soubessem o que suas mãos tocam
O que devem de fato desejar
Já estive ali a correr e transpirar a cada passada longa de perna
Mas quando os malditos sons de violinos me convenceram de que deveria ser diferente
Que poderia ser real, e que meus dedos poderiam tocar qualquer desejo incompleto
Senti me tentado, assim como adão ao ver Eva ali, tão nua e tão vermelha
Desisti de tudo que já fui por uns momentos de incerto
E por uma eternidade preso dentro de mim
Não posso sequer implorar pela lamina fria e úmida
Não há sentenças ditas ou malditas
Vou permanecer aqui, só o tempo de descobrir que a prisão jamais deixou de ser a parte mais intensa de meu mundo
E que sou o mesmo que esta usando aquela coroa dourada e repleta de diamantes
Mas até entender isso, minha falta de orgulho ou o excesso do mesmo me manterá bem seguro de meu próprio mundo nesta fria e distante cela
Junto de um carcereiro sádico e ocioso a balançar as chaves diante de minha cela
Dia a pós dia propondo pactos de revoluções
Tentando me fazer acreditar em rebeliões
E quando se cansar de tentar me fazer lutar as suas batalhas
O mesmo maldito carrasco irá me torturar com imagens esquecidas
Algumas jamais vividas
Tantas delas lamentadas e doloridas
E assim será meu pequeno mundo
Dominado pelo exercito invisível de um homem só
Aquele homem que se distraiu com a folha seca dançando com o vento
E sequer percebeu quando o céu o engoliu... Sequer percebeu que suas crenças foram devoradas por aqueles que regem a grande sinfonia.

13 de jan de 2011

Redenção

Nada a dizer
Pelo menos nada que deveria ser dito
Pensamentos reais jogados de canto
E neste momento tudo parece incerto
Um medo me toma
E me carrega de encontro a um paredão
Uma velocidade desumana
Mal me enxergo em meio a toda a intensidade
Quando visto de um plano mais amplo
Apenas um pacote bêbado a ser arremessado
Um pouco de ar seria bom neste lugar
Algum fôlego nestes velhos pulmões
Estou a mercê da sorte
Como aquele velho bêbado que você finge nem ver nas esquinas
Toda segurança que costumava me acordar em dias quentes
Parece cada vez mais distante de meus atos
Fugindo por entre meus dedos
Vou tentando tentar um pouco menos a cada ato
Parece possível quando não abro os olhos
E quando fecho a porta
O mesmo frio de vidas passadas me amedronta
Eu caminho devagar
Para não acordar os demônios e fantasmas neste quarto escuro
Tentando sair do único lugar que pude tomar como lar
Sei que há algo além daquele pântano úmido
O incerto quase me deixa eufórico
Com uma pequena lanterna e rezando para nem ser notado
Pego meu agasalho mais surrado
E sigo meu nariz
Agarrado a tudo que restou de coragem
Tentando manter a cabeça erguida
Um pouco de orgulho seria bem vindo neste momento
De bolsos vazios
Não serão mais necessários tantos pesos mundanos
Quando o sol tocar a consciência dos que dormem
E lhes resgatarem de seus mundos particulares
Espero estar uma tanto distante de tudo isso
Mas caso não consiga
Valerá estar entre os dentes deles
Toda a coisa que me ensinaram a chamar de vida
Não faz sentido algum
Nem fará, enquanto estiver sentado e imaginando
Por quantas existências mais serei isso?
Quanta dor seria suficiente para me arrancar deste transe?
Então nem olharei para trás
Talvez sinta medo
Ou a maldita nostalgia me convença a ficar ou a voltar
Não irei distrair meu espírito desta vez
Nem me encontrar tão rápido assim
Algo me diz que desta vez serei encontrado
Serei descoberto
E mesmo temendo o escuro de cada esquina
Vou manter minha fé
Como uma pequena vela acesa
A mercê da ventania antes das chuvas de verão
Até sentir que finalmente minha caminhada terminou
E quando a brisa tocar meu rosto cansado,
E todo receio se dissipar,
E as tardes forem intensas e preguiçosas
Cheias de sol iluminando a varanda
Cada respiração será ofegante, próxima e intima
Como se fossem providas de um único ser
Os olhares serão tão cheios de afetos
Aqueles que quase arrancam uma lágrima de sorriso
E cada palavra fará sentido
E cada sentido estará em teu devido lugar
Então saberei que finalmente a vida me deu a chance de viver,
De enfim estar no palco
Só de vê-la ali a me esperar
A queixar-se de minha demora com um sorriso de alivio pela minha chegada
Vou gastar todo meu ser
Na fogueira mais intensa
Quando chegares, não faça alarde
Apenas feche a porte e deite-se ao meu lado querida
Apenas deite-se ao meu lado...

O Homem invisível

Sou uma vírgula
Sou uma dor aguda no peito
Atendo a teus pedidos desesperados
É ai que eu ofereço minha ajuda
Escuto-te
Conforto-te
Sou seu vicio
Tua droga
Seu uso, dia após dia
Você me diz coisas fúteis
E eu te mostro as maravilhas do mundo moderno
Eu mergulho bem fundo pra tenta te encontrar
Mas teu lago esta poluído demais.
Seu querer é tão indeciso
Você me arranca sorrisos falsos o tempo todo
Falsidade que não esta no sorriso
E sim nos motivos pra sorrir
Eu só quero acreditar que existo
Vou acreditar mais na próxima chance
Pois já estou farto desta fé vazia.
Sua roda de amigos é tão letal a minha existência
Eu tenho uma frase e um cigarro no maço
Mas vou guardá-los pra mais tarde.
Seu vestido branco esta tão sujo hoje
O que eu deveria fazer?
Seu mundo me consome
A chuva só vem pra molhar minhas roupas.
Eu sou o sol e seus efeitos
Você me quer
Mas só para se bronzear sua pele em minha luz
Ninguém comenta sobre mim
Acho que não seria um bom tema
Ninguém me percebe quando a crise me devora
Eu sou aquele que esteve em coma por 30 anos
E acordou desnorteado
Sou o rapaz tímido que sofreu calado diante da tortura
Sua festa esta tão vazia
Acho que seus amigos se cansaram de você
Acho que todo o teatro de uma vida
Afinal não suporta tantos atos
Você continua dia após dia
Riscando nomes de tua agenda
Aquela de capa de ouro
Tantos riscos que poderiam ser assumidos
E você tem sempre uma ultima opção em mim
E eu só quero permanecer abraçando esta mentira
De que sou a primeira das delas
Como um viciado largado de tua própria fé
Sem caminhos ou desejos reais
Apenas se agarrando a cordas desgastadas
Vou vivendo cada vertigem
Sem muitos medos de possíveis quedas
Gravando cada segundo em minha pele
E você seguirá usando esta droga
E eu sempre estarei esperando que cada dose minha
Possa te levar mais e mais longe.

3 de jan de 2011

Saudade...

Uma palavra tão singela
Tão pouco dotada de importância quando dita
Poucos entendem o sentido do sentir
Muitas vezes nos deparamos com certas nostalgias
Coisas tão bem guardadas que acabam por esquecidas
E quando tempos depois decidimos
Que é tempo daquela limpeza na caixa suspensa
Encontramos tanta poeira e itens não mais usados
Logo esquecemos o sentido de estar com a vassoura na mão
E usamos todas as energias guardadas em meio ao pó
Concentramos todas as energias
E de forma tão humana
Por segundos de matéria
E horas de espírito
Conseguimos reler as linhas daquilo que já foi escrito
Sentir cada velho e necrosado olhar distante
Como se fosse essencial buscar respostas lá
E se estas respostas fossem abrir atalhos
Para um futuro mais claro
Mesmo se o presente for da maneira humana que desejamos
Até que o espírito esteja em paz e centrado
Haverá no passado algumas perguntas
Inúmeras frustrações
Acredito que esta seja a parte mais bela do respirar
Mesmo sem motivos tão fortes assim
O espírito exige uma busca completa
Nada mudará com tal jornada interna
Nenhum pelo se recolocará na pele
Se tudo fosse mais fácil...
Se os caminhos não fossem tão cruzados...
Quantas noites frias caminhando pela cidade...
Alguns encontros...
Outrora desencontros evitáveis...
Seria mesmo evitável?
E se o frio no rosto diante da visão urbana,
Fosse o sentido para colocar o tênis e se mover?
Os caminhos deveriam ser mais exatos ou objetivos?
Nada será diferente
Mas sempre que estiver ali
Imaginando o que poderia ser novo ou diferente
Valerá cada segundo neste estado estático
Pois só assim entenderá que o sangue vermelho correu pulsante
E seus olhos queimaram como nunca
E seu peito de tão pesado
Queixou-se de não poder respirar
Sua voz quase não saiu
E a palidez te deixou naquele momento
Lembra-se de como era bom estar vivo?
O passado sempre te lembrará
E a cada nostalgia momentânea
Cobrará-te um pouco de mais de intensidade
Talvez seja este o único modo de encontrarmos a redenção.
O provável de cada evento jogado em cantos da sala
Trouxe-me aqui
Fez me desacreditar um tanto menos em destinos
Ah sim! Eu vou me perder nas esquinas deste pequeno mundo
Vou sentir medo do estranho que se aproxima
Nas madrugadas solitárias e nubladas
Quero sentir toda a paranóia de estar sendo seguido
Desistir de lutar contra aquelas sorridentes e sádicas
Encontrar-me em meio ao fogo cruzado
Como alguém que acorda nas trincheiras de pijama
E sem entender o que se passa
É induzido a pegar um fuzil enferrujado e lutar
Sem motivos ou motivações
Vou perder cada gota de humanidade
E cada essência vermelha que me impulsionava
Sempre ao norte, sempre ao norte.
Sua nostalgia mais intensa
Será a tua bussola
E às vezes quando estiver perdido dentro de si
Será o lugar mais oportuno para se encontrar
Sem medidas exatas
Tua maior frustração enraizada
No final das contas
Será tua âncora
E te salvará de si mesmo.